• Promoção da Saúde

  • Previna-se nas Doenças de Inverno
  • 21 de agosto de 2017
  • O inverno está chegando e a temperatura do ambiente chega abaixo dos 16ºC.

    Os sintomas que podem indicar moléstias ou doenças de inverno surgem: garganta raspando, nariz escorrendo e pode haver aquela sensação de dor no corpo.

    Influenciados pelo clima, os casos de doenças respiratórias e reações alérgicas indesejáveis aumentam no Rio Grande do Sul nesta estação do ano. Com a chegada do frio, as pessoas tendem a conviver em lugares fechados, sem muita ventilação, se aglomeram mais, gastam energia para manter a temperatura do corpo e ficam mais expostas à umidade.

    As principais doenças aparecem nesta época são a pneumonia, o resfriado, a alergia  ou hiper sensibilidades, a gripe, a bronquite e as renites. Embora todas as pessoas possam estar suscetíveis a estas mudanças de temperatura, as crianças, os idosos, as pessoas alérgicas ou com doenças crônicas ( exemplo: as que são asmáticas, os diabéticos) são as maiores vitimas destas enfermidades. Para se defender, as pessoas podem e devem tomar alguns cuidados preventivos: Dentre eles destacam-se:

     

    Cuidados dentro de casa

    • Mantenha os ambientes ventilados e permita a entrada do sol.
    • Livre-se da poeira. Faça uma boa limpeza diária da casa não produtos químicos de limpeza, mas com pano e água.
    • Proteja colchões, travesseiros, almofadas, ursinhos de pelúcia, tapetes e até cortinas.

     

    Cuidados na rua

    • Evitar ficar muito tempo em ambientes fechados.
    • Evite grandes aglomerações.
    • Jamais compartilhe copos ou talheres.
    • Ajude seu corpo, agasa-lhe bem especialmente face (orelhas, narinas), mãos e pés.

     

    Outras dicas

    • Consuma bastante liquido.
    • Ingira alimentos ricos em vitaminas que fortalecem o sistema imunológico (por exemplo: banana, laranja, frutas secas como ameixas; sucos naturais como de limão e laranja que devem ser ingeridos logo que feitos).
    • Consulte o (a) médico (a) de sua confiança e verifique quais medidas preventivas seriam importantes em seu caso (individualmente) para evitar incômodos com a estação fria.
  • Leia Mais
  • Medicina do Trabalho

  • Medicina do Trabalho
  • 21 de agosto de 2017
  • A qualidade de vida é uma conquista e torna-se possível quando há uma compreensão e ciência que conquistar envolve disciplina e esforço através de um planejamento de ações especificas e direcionadas por um objetivo, por exemplo prevenir doenças e acidentes do trabalho e com um foco: promovendo o conceito de saúde. A disciplina vista como uma maneira de agir organizadamente e com metodologia e o esforço entendido como dedicação e empenho em fazer bem o que se faz, fazem parte de uma conquista.

    Um serviço de saúde comprometido com qualidade de vida conquista credibilidade se atua na ideia, num plano de inserção das pessoas em ambientes saudáveis e seguros e contribuindo para isto. Por ser uma especialidade médica preventiva este é o foco da gestão da Medicina do Trabalho.

    O trabalhador tem o direito de saber que quem cuida de seus exames ocupacionais possui competência técnica e emocional para intervir quando os riscos que atuam no seu ambiente de trabalho não o deixem com possibilidades de acidentar-se ou adoecer. Pois ele, o trabalhador produz bens e serviços de consumo para o aperfeiçoamento do viver, para atender as necessidades mais diversas que integram as atitudes diretas e indiretas na preservação do desenvolvimento das organizações.

    O desenvolvimento das empresas ocorre quando olhamos e promovemos na figura do trabalhador um ser humano integral e integrado. Atentar para as informações úteis para poder colaborar com a saúde e a produtividade são consequência e que vai conduzir a uma disseminação de conhecimentos que interajam com a saúde e a segurança de ser cidadão e perpetuar um conceito hígido de trabalhar e viver.

    Há vivência e convivência do trabalhador em uma sociedade “acordada” 24 horas para as possibilidades de acesso a todas as informações, a qualquer momento, pois sempre há pessoas e sistemas funcionando. Todavia, é de discernimento para escolher quais informações ou conhecimentos motivam e levam a um estilo de vida saudável para os locais de trabalho, das famílias e da comunidade.

    Apesar de avanços tecnológicos e do acesso às informações, precisamos reaprender o básico em saúde preventiva: alimentar-se mastigando bem e com alimentos menos industrializados possíveis; praticar atividades físicas regulares e que nos deem satisfação para que mecanismos biológicos internos de nosso corpo secrete substâncias boas e que nos fortaleça; dormir e evitar privar-se do sono e sonhar dormindo e sonhar em planos pois em ambos as situações o sonho contribui para a qualidade de vida.

    A Medicina do Trabalho encontra-se diante de um desafio: promover a saúde e a segurança das pessoas e da comunidade em ambientes e circunstancias adversas pela habitual escassez imposta ou auto imposta de tempo livre para o assimilar o comprometimento consigo mesmo do cuidar-se. O cuidar-se para uma pessoa e para uma coletividade de trabalhadores conduz automaticamente ao cuidar da sua atividade laboral, dos procedimentos, das ferramentas que usa em seu trabalho, de sua produtividade e por consequência da organização (empresa) que o contratou para colaborar com a sua sobrevivência e sustentabilidade em um ambiente mercadológico competitivo.

     

    Dra. Carla Maffei Lodi

    Diretora da Bemviver Clínica de Saúde no Trabalho

  • Leia Mais
  • Segurança do Trabalho

  • Empresas que investem em saúde e segurança do trabalho são mais competitivas
  • 21 de agosto de 2017
  • A saúde e segurança no trabalho vem ganhando ampla repercussão nos últimos anos. A relevância do assunto se deu com a criação de novas leis e a conscientização por parte de emprese trabalhadores.“Considero as mudanças que acompanhei nestes últimos 18 anos muito positivas para a competitividade das empresas. Atualmente, os empregadores estão mais amparados com orientações e informações e sabem o que fazer em cada situação. Desta forma a empresa tem muito mais chance de sucesso quando as pessoas que nela trabalham estão saudáveis”, afirma a médica do trabalho, e também presidente do Departamento de Medicina do Trabalho da Associação Médica de Caxias do Sul (Amecs), Carla Maffei Lodi. 
    De acordo com a especialista, a importância dos cuidados com o trabalhador vai muito além do lado econômico. “O ser humano é o que há de mais valoroso no contexto de uma organização por mais mecanizada, automatizada ou estruturada que ela seja. Assim, zelar pela saúde do trabalhador é um investimento fundamental para qualquer empresa. Nos âmbitos social, econômico, legislativo e de responsabilidade social prevalece a importância deste zelo”. 
    Contudo, a construção de um ambiente de trabalho seguro não passa apenas pelas empresas. Também é importante conscientizar o colaborador a se cuidar. Para isso, o empregador deve promover a saúde através de programas de qualidade em que o bem-estar e a segurança sejam itens essenciais para o serviço. Na prática, deve promover palestras, treinamentos e dinâmicas com as pessoas, manter canais de comunicação e gestão da saúde e segurança. 
    “Essas são as bases fundamentais de qualidade de vida da empresa e das pessoas que fazem a sua história. Os casos de empreendimentos de sucesso com certeza estão conectados com histórias de valorização da vida”, enfatiza a médica Carla. 
    Ela observa ainda que nas empresas que já possuem os serviços de SST (Saúde e Segurança do Trabalho) e meio ambiente estruturados há menor resistência ao uso de EPI’s (equipamentos proteção individual), pois essas práticas criam uma integração do trabalhador com a necessidade de se proteger. Nestes locais, além de fornecer o equipamento, existem técnicos em segurança que ensinam o uso correto. 
    Atualmente, o que mais afasta as pessoas do trabalho são as dores osteomusculares e problemas de saúde mental. Quanto aos acidentes laborais mais comuns, estão as quedas, pequenos ferimentos, entorses de articulações e agravamentos de lesões sofridas fora da empresa – por exemplo, no trânsito,em atividades extras informais e em um esporte ou atividade física de impacto, competitiva ou não. 
    O que vem chamando a atenção dos especialistas são os chamados acidentes de trajeto, que ocorrem a caminho do emprego ou na volta para casa. De acordo com uma projeção realizada pelo Ministério da Previdência Social, o gasto com este tipo de acidente subiu 37% entre 2009 e 2011. As causas apontadas são o trânsito de modo geral, incluindo o aumento no número de motocicletas, as condições das calçadas e a acessibilidade precária. 
    A diminuição do afastamento do trabalho devido a lesões laborais vem sendo discutida. Para Carla, esses problemas podem ser combatidos com prevenção, através de programas de saúde e gestão da saúde ocupacional, que minimizam, previnem e até mesmo curam doenças, ocupacionais ou não. “É necessário criar uma cultura com comportamentos de participação e integração das instituições (empresa, escolas, universidades, projetos sociais) com a tecnologia da informação para que se possa difundir uma direção que é a mesma: todos querem mais saúde e segurança. Precisa haver uma união entre a representatividade sindical, Previdência Social e Ministério do Trabalho. Isso sim diminuiria os afastamentos”, avalia. 

    Fonte: Carla Maffei Lodi - Publicado em: http://www.sinduscondf.org.br/noticias.php?mat=2388

  • Leia Mais